sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Vermes, Doenças infecciosas, Vírus e Bactérias – Apostila de Biologia para o ENEM

Breve introdução…

Vermes
Nome popular dos seres vivos pluricelulares pertencentes aos filos platelmintos e nematelmintos do reino Metazoa.
Apresentam corpos tubulares alongados, que podem ser achatados (platelmintos) ou cilíndricos (nematelmintos). Alguns
têm vida livre e vivem no mar, rios ou ambientes terrestres, e outros são parasitas, ou seja, vivem às custas dos animais
hospedeiros. Os parasitas causam doenças infecciosas e parasitárias como ascaridíase, amarelão, cisticercose,
esquistossomose e teníase ou solitária.
Platelmintos – Dividem-se em três classes – tuberlários, trematódeos e cestódeos – de acordo com o modo de vida (livre
ou parasitária). Os tuberlários, como a planária (Dugesia tigrina), são seres de vida livre. Os trematódeos podem ser
ectoparasitas (vivem externamente ao hospedeiro), como o Gyrodactylus, que habita as brânquias de certos peixes, ou
endoparasitas (vivem e reproduzem-se no interior do hospedeiro). Exemplos de endoparasitas são a Fasciola hepatica,
que habita o fígado do carneiro, e o Schistosoma mansoni, que causa a esquistossomose. No ciclo de vida de um
trematódeo, os vermes adultos produzem ovos que são eliminados do hospedeiro definitivo (homem) e originam vários
estágios larvais relacionados ao hospedeiro intermediário (molusco aquático). Os cestódeos são todos endoparasitas,
como as tênias. As formas adultas da tênia produzem a teníase no hospedeiro definitivo (o homem) e as formas larvais
são responsáveis pela cisticercose, na qual o homem serve como hospedeiro intermediário.
Nematelmintos – Os nematelmintos podem ter vida livre ou ser parasitas de plantas e animais. Neste caso, os vermes
adultos habitam a cavidade intestinal do hospedeiro e produzem ovos, que eliminados pelas fezes contaminam a água e
os alimentos. Em seu ciclo de vida não há hospedeiro intermediário. O nematelminto parasita mais conhecido é o
Ascaris lumbricoides, a lombriga, que provoca a ascaridíase. Outros exemplos de nematelmintos são o Necator
americanus e o Ancylostoma duodenale, que habitam o intestino humano e provocam a doença conhecida como
amarelão.
Doenças infecciosas
Processos infecciosos causados por diferentes microrganismos – bactérias , fungos, protozoários , vermes e vírus – que
penetram, se desenvolvem e se multiplicam no organismo humano. Quando o agente causador é um protozoário ou um
verme, a doença infecciosa é chamada de parasitária.
Segundo seu aparecimento e evolução, as doenças infecciosas podem ser epidêmicas, endêmicas e pandêmicas. As
doenças epidêmicas são aquelas com ocorrência de muitos casos num dado período e com tendência a desaparecer,
como o dengue e a cólera. As endêmicas apresentam quantidade significativa de casos em certas regiões, como a malária
na Amazônia. E as pandêmicas são as que têm muitos casos espalhados pelo planeta ou continente, como a Aids .
Uma parte das doenças infecciosas pode ser evitada com vacinas específicas e medidas de educação sanitária, como
beber água fervida ou clorada e só comer verduras e legumes crus bem lavados.
Segundo o Ministério da Saúde, as doenças infecciosas e parasitárias foram responsáveis por 39.548 óbitos no país em
1995, o correspondente a 5,3% do total de mortes no ano.
Formas de contágio – As doenças infecciosas podem ser transmitidas por contato direto, indireto, por uma fonte comum
contaminada ou por vetores (agentes que transmitem os microrganismos). Formas de contato direto são, por exemplo,
muco ou gotículas de saliva expelidas ao tossir, espirrar ou falar. O contato indireto dá-se por vias como o uso
compartilhado de determinados objetos. Fontes comuns contaminadas podem ser sangue (no caso de uma transfusão
sanguínea), água e alimentos. Exemplos de vetores são mosquitos e caramujos. Várias doenças infecciosas têm mais de
uma forma de contágio.
Parasitismo – Relação temporária entre seres de espécies diferentes, na qual um deles, o parasita, vive às custas do outro,
o hospedeiro. Nessa associação, o parasita obtém alimento através do hospedeiro, que é prejudicado de alguma forma.
Os parasitas mais comuns são os protozoários e os vermes. O parasitismo pode ser externo (ectoparasitismo), como
piolhos, pulgas e carrapatos, ou interno (endoparasitismo), como protozoários e vermes.
Bactéria
Ser vivo unicelular e microscópico, pertencente ao Reino Monera. Assim como todos os seres deste grupo, é formada
por uma célula procarionte (desprovida de membrana nuclear). Por não apresentar o envoltório protetor do núcleo, o
material genético (cromatina), constituído por uma única molécula de DNA (ácido desoxirribonucléico), encontra-se
disperso no citoplasma. Apresenta membrana plasmática recoberta e protegida pela parede celular, de consistência
gelatinosa. As bactérias causam várias doenças infecciosas . A transmissão pode ser feita pelo ar ou por contato direto
(gotículas de saliva ou muco) ou indireto.
As bactérias podem ser classificadas segundo a forma. As esféricas são chamadas cocos; as alongadas em forma de
bastão são os bacilos; as espiriladas, espirilos; e as em formato de meia-espiral denominam-se vibriões. Algumas
espécies, para melhor desenvolverem as funções de nutrição e proteção, podem apresentar-se em agrupamentos celulares
(colônias). Os agrupamentos podem ser aos pares (diplococos), em forma de colar (estreptococos) ou de cacho de uva
(estafilococos). Muito resistentes a variações de temperatura e também a agentes químicos, algumas bactérias
apresentam filamentos móveis chamados flagelos, para a locomoção. A maioria das doenças causadas por bactérias é
tratada com antibióticos, substância produzida por microrganismos (os mais comuns são os fungos) ou sintetizada em
laboratório, capazes de impedir o crescimento ou mesmo destruir as bactérias. Porém, o tratamento nem sempre é eficaz,
pois elas desenvolvem resistência contra determinados medicamentos, que perdem seu efeito.
Algumas espécies de bactérias podem provocar doenças fatais. É o caso da Staphylococcus aureus (causa infecções de
pele) e da Streptococcus beta hemolíticos (causadora da escarlatina), que estimulam a superativação dos linfócitos , os
glóbulos brancos responsáveis pela defesa do organismo. Ao produzirem grande quantidade de citosinas e óxido nítrico,
causam um grave desequilíbrio na composição e circulação sanguínea , que pode resultar na morte do paciente. Este
quadro clínico é conhecido como Síndrome da Reação Inflamatória Sistêmica (SIRS). Outros tipos, como a Escherichia
coli (causadora de diarréia) e a Salmonella typhi (causadora da febre tifóide), que se alojam na região intestinal, podem
atingir a circulação sanguínea e provocar uma infecção generalizada, que também pode levar à morte. Mas a maior parte
das espécies de bactéria é benéfica ao homem. Elas são responsáveis, por exemplo, pela fixação do nitrogênio da
atmosfera no solo, fundamental para o desenvolvimento das plantas. Também realizam a fermentação necessária para a
fabricação de produtos como vinagres e queijos.
Vírus
Ser vivo microscópico e acelular (não é composto por células) formado por uma molécula de ácido nucléico (DNA ou
RNA), envolta por uma cápsula protéica. Apresenta-se sob diferentes formas: oval, esférica, cilíndrica, poliédrica ou de
bastonete. Por ser incapaz de realizar todas as funções vitais, é sempre um parasita celular, ou seja, necessita de um
animal, planta ou bactéria para multiplicar-se e desenvolver-se. Ao se reproduzir dentro de uma célula, acaba por lesá-la.
Na reprodução, qualquer modificação no DNA provoca uma mutação, gerando novos tipos de vírus.
Grande parte das doenças infecciosas e parasitárias é causada por vírus, como a Aids , a catapora, a dengue, a rubéola e
o sarampo. A transmissão pode ser feita pelo ar, por contato direto (gotículas de saliva ou muco) e indireto (utensílios,
água e alimentos contaminados ou picada de animais). O tratamento de uma infecção viral geralmente é restrito apenas
ao alívio dos sintomas, com o uso de analgésicos e antitérmicos para diminuir a dor de cabeça e reduzir a febre. Há
poucas drogas que podem ser usadas no combate de uma infecção viral, pois ao destruírem o vírus acabam por destruir
também a célula. Quase todas as doenças causadas por vírus podem ser prevenidas com vacinas.
A febre é um sintoma comum a todas as infecções virais. Outros sinais característicos presentes na maioria das infecções
são dor de garganta, fadiga, calafrio, dor de cabeça e perda de apetite. Mas grande parte das doenças apresenta uma
sintomatologia própria. Por exemplo, a manifestação de pequenas elevações eruptivas avermelhadas na pele caracteriza a
rubéola e a catapora ou varicela. No sarampo, são comuns erupções na mucosa bucal e o surgimento de manchas
avermelhadas na pele. A inflamação e o inchaço das glândulas salivares são sintomas específicos da caxumba. Na
poliomielite ocorre rigidez da nuca e perturbações físicas que podem causar paralisia e atrofia de certas partes do corpo.
Na febre amarela e na hepatite infecciosa viral há náuseas e vômitos.

Baixe a apostila completa de graça, link para Download:

4 Shared - http://www.4shared.com/document/UHfBZdx3/Vermes__V_rus_e_Bact_rias.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário